Chefe da Casa Imperial concede mercês aos Príncipes D. Antonio e D. Christine

Para celebrar a superação de vida de D. Antonio nesse ano de 2020, bem como demonstrar seu apreço pelos mais de 30 anos de dedicação do casal ao futuro da Dinastia, D. Luiz elevou o irmão à condição de "Alteza Imperial" e concedeu a D. Christine a Grã-Cruz da Imperial Ordem da Rosa.

As cartas de mercê com a assinatura do Príncipe Dom Luiz, Chefe da Casa Imperial do Brasil (Divulgação/©Pró Monarquia)

Neste domingo (27), a Pró Monarquia, associação que representa o Secretariado da Casa Imperial do Brasil, fez por bem divulgar a concessão de duas mercês da parte do Chefe da Casa Imperial do Brasil, Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, a seu irmão e cunhada, os Príncipes Dom Antonio e Dona Christine de Orleans e Bragança.


"No dia de ontem, 26 de setembro, o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, fazendo uso de suas legítimas atribuições, teve por bem conferir o tratamento de “Alteza Imperial” a seu dileto irmão e segundo herdeiro dinástico, o Príncipe Dom Antonio de Orleans e Bragança, e a Grã-Cruz da Imperial Ordem da Rosa à sua muito querida cunhada, a Princesa Dona Christine de Ligne de Orleans e Bragança", anunciou a Pró Monarquia nas redes sociais.

Os Príncipes D. Antonio e D. Christine (Divulgação/©Pró Monarquia)

A concessão de mercês ocorreu no mesmo dia da celebração dos 39 anos de matrimônio do casal, que se deu ontem, dia 26 de setembro, sendo o anúncio feito hoje, dia 27.


D. Antonio e D. Christine, que já possuíam o tratamento de "Alteza Real", agora devem ser referidos como "Altezas Imperiais e Reais".


Cumpre destacar que, a rigor, apenas o Chefe da Casa Imperial e o Príncipe Imperial do Brasil (respectivamente, o 1° e o 2° na linha de sucessão) têm direito ao tratamento de "Alteza Imperial" pela Constituição de 1824, receberia também esse tratamento o "Príncipe do Grão-Pará", o primogênito do Príncipe Imperial do Brasil (título em desuso atualmente, visto que D. Bertrand não possui filhos). Os "Príncipes do Brasil" (demais príncipes que integram a linha de sucessão) recebem, pela Constituição, apenas o tratamento de "Alteza". O tratamento de "Alteza Real" advém do título de "Príncipe de Orleans e Bragança" (título este que possuem todos os membros da Família Imperial).


Como afirma o comunicado, por meio desse ato o Príncipe D. Luiz quis demonstrar "não apenas seu grande apreço [pela Princesa D. Christine] e sua afeição fraternal [pelo Príncipe D. Antonio], como também sua inteira confiança na condução futura dos destinos da Dinastia pelo Príncipe Dom Antonio, com o devotado apoio da Princesa Dona Christine".


Confira o comunicado da Pró Monarquia e, mais abaixo, a fotografia de ambas as cartas de mercê:



COMUNICADO: CONCESSÃO DE MERCÊS A DOM ANTONIO E DONA CHRISTINE


No dia de ontem, 26 de setembro, o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil, fazendo uso de suas legítimas atribuições, teve por bem conferir o tratamento de “Alteza Imperial” a seu dileto irmão e segundo herdeiro dinástico, o Príncipe Dom Antonio de Orleans e Bragança, e a Grã-Cruz da Imperial Ordem da Rosa à sua muito querida cunhada, a Princesa Dona Christine de Ligne de Orleans e Bragança.


Após um longo período de deliberação, o Chefe da Casa Imperial – em comum acordo com seu irmão e imediato herdeiro dinástico, o Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança – decidiu-se por conceder as mercês, mostrando não apenas seu grande apreço e sua afeição fraternal, como também sua inteira confiança na condução futura dos destinos da Dinastia pelo Príncipe Dom Antonio, com o devotado apoio da Princesa Dona Christine.


São Paulo, 27 de setembro de 2020


Pró Monarquia / Secretariado Casa Imperial do Brasil



Carta em que D. Luiz concede a D. Antonio o tratamento de "Alteza Imperial" (Divulgação/©Pró Monarquia)

Carta em que D. Luiz concede a D. Christine a Grã Cruz da Imperial Ordem da Rosa (Divulgação/©Pró Monarquia)

Banner wallpaper bandeira imperial.png

Todos os direitos reservados © Diga Sim à Monarquia - 2014-2020